Opinião: Trocar de técnico não é solução para o Palmeiras

Palmeiras
Cesar Greco / Fotoarena

Gilson Kleina está por um fio no Palmeiras. Conselheiros querem a cabeça do treinador, que já andava em baixa no clube, após a derrota sofrida para o Flamengo no último domingo (4) – 4 a 2, de virada, no Maracanã, pela 3ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Mas será que somente Kleina é o problema?

É fato que, como comandante do grupo de atletas, qualquer técnico de futebol do planeta é responsável directo pelo desempenho do time, para o bem e para o mal. Obviamente não é a única peça importante no processo – afinal, treinador nenhum faz gols ou defende cobranças de pénaltis.

Sem material humano para trabalhar, a situação fica complicada. Kleina não tem um elenco com muitas opções em mãos. O clube perdeu Alan Kardec para o rival São Paulo e não há outro centroavante à altura. O goleiro e capitão Fernando Prass está machucado. As opções são o instável Bruno ou o jovem Fábio, promessa muito elogiada por Luiz Felipe Scolari quando técnico alviverde. Fora laterais, zagueiros (não houve contratação de peso após a saída de Henrique) e outro meia pensante para fazer companhia a Valdivia. O Palmeiras não contratou o necessário para as intempéries do ano de seu centenário.

Além disso, a situação conta com uma agravante peculiar: o próprio Palmeiras. Em um clube com forte política interna, não são poucos os que desejam a saída de Kleina. A renovação do contrato do treinador foi exemplo disso. Ali, ficou claro que ele era a segunda opção. E aceitou renegociar seus vencimentos pela filosofia da produtividade implantada por Paulo Nobre.

Não bastasse o desgaste na renovação, Kleina não conseguiu cativar a diretoria pelos resultados. Mas, se com os patrões ele não é unanimidade, entre os jogadores o treinador está com a bola cheia.

Com fama de ser um cara excelente para grupos, sem vaidade e com perfil para ser um “paixão”, os jogadores estão, como diz a gíria da boleiragem, “fechados” com o professor. Tanto é que o meia Valdivia, um dos nomes de mais peso do Verdão, isentou Kleina de culpa na derrota para o Flamengo.

Ao menos, isso. Se ele não tivesse a confiança dos atletas, o ambiente já teria implodido. Coisa que pode acontecer com técnicos mais “vaidosos”, digamos assim, como Vanderlei Luxemburgo, nome que novamente ganha força para retornar ao Palestra Itália.

Por isso, e até mesmo pela falta de nomes bons e em bom momento no mercado, o Palmeiras só tem a perder dispensando Kleina.

Crédito: Reprodução



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.