Torcida do Corinthians tem motivos de sobra para cobrar o time

“Aqui no Corinthians, nunca está bom. A cobrança sempre será grande. Mas é um momento de transição, precisamos ter paciência”, foi o que disse o meia Petros, do Corinthians, após o empate diante do Atlético-PR na última quarta-feira, no Canindé, pela 6ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Recém-chegado ao clube, o ex-jogador do Penapolense talvez não tenha entendido ainda a preocupação da Fiel. Embora o Corinthians tenha conquistado recentemente títulos importantes, como a Libertadores e o Mundial de Clubes, em 2012, a atual campanha no torneio nacional é pior, até o momento, à trajetória da equipe em 2007, ano que culminou com o rebaixamento para a Série B.

OPINIÃO DE FERNANDO BADÔ: Ausência de equilíbrio está sendo fatal para Corinthians e São Paulo

Há sete anos, na sexta rodada, o Corinthians ocupava a honrosa segunda posição, com um aproveitamento de 66% dos pontos disputados. O alvinegro somava 12 pontos, após vitórias diante de Juventude (1 x 0), Cruzeiro (3 x 0) e América-RN (2 x 1), além de empates contra Atlético-MG (0 x 0), Santos (1 x 1) e Paraná (0 x 0). O líder na ocasião era o Botafogo, com 14 pontos (ao final do certame, o São Paulo sagrou-se campeão).

No atual Brasileirão, o time de Mano Menezes começou bem, mas caiu nas duas últimas rodadas e deixou a Fiel em alerta. Iniciou empatando fora de casa com o Atlético-MG (0 x 0), venceu na sequencia Flamengo (2 x 0) e Chapecoense (1 x 0), mas derrapou contra São Paulo (1 x 1), Figueirense (derrota por 1 x 0, na inauguração oficial da Arena Corinthians) e ficou no 1 x 1 com o Atlético-PR. Ou seja: aproveitamento de apenas 50%, 9 pontos e a nona posição.

O líder é o Cruzeiro, com 13, seguido por Grêmio (13), Fluminense e Palmeiras (ambos com 12 pontos).

No próximo domingo, o Corinthians enfrenta o Sport na Ilha do Retiro. O volante Guilherme, com dores no músculo posterior da coxa direita, ainda é dúvida. “Quem trabalha no Corinthians sabe como é o Corinthians. Quem aceita assinar contrato sabe que vai passar por isso (pressão). Não acho que a cobrança tenha sido desproporcional, foi dentro da expectativa”, minimizou Mano em entrevista coletiva.

Enquanto ainda aguarda as estreias de Elias e Lodeiro, jogadores já contratados mas que só poderão atuar após a Copa do Mundo, os torcedores do Corinthians continuarão cobrando o time e rezando para que o fantasma de 2007 não volte a pairar sobre o alvinegro. Afinal, como esquecer aquele fatídico final de ano, quando o time mais popular do Estado terminou na 17ª posição, com míseros 44 pontos, e decretou a página mais triste da sua centenária história?



Jornalista.