Opinião: Hernane vai de artilheiro a fanfarrão no Flamengo

Hernane, camisa 9 do Flamengo, é um bom atacante. Não é extraordinário, genial ou algo do tipo. É bom e ponto. Oportunista. E com uma excelente fase no clube em 2013. Mas de artilheiro, o Brocador se transformou em “fanfarrão” ao afirmar que, se não fosse as lesões que teve neste ano, poderia estar na lista dos sete “reservas” do Brasil na Copa do Mundo.

“Creio que sim. Essa lesão pode ter atrapalhado a minha ida para a seleção. Fiquei muito triste. Acho que tinha chances, perdi uma boa sequência de jogos e acabei prejudicado. Mas são águas passadas”, disse o jogador.

De fato, Hernane teve um 2013 primoroso. Fez 36 anos e foi o artilheiro do país na temporada. Ganhou a alcunha de “artilheiro do Maracanã”, porque muitos de seus tentos foram no estádio. Caiu nas graças da torcida e virou ídolo. Mas daí a estar na Copa…

Mesmo que estivesse 100%, o Brocador não é páreo para Fred, Jô e Hulk (Neymar, por motivos óbvios, não será considerado na comparação). Primeiro pela experiência do trio na Seleção. Segundo, pelo momento. Se em 2013 o flamenguista poderia até cobrar uma oportunidade, 2014 foi cruel com o artilheiro.

Depois de ficar quase dois meses fora do time por conta de uma lesão nas costas, o camisa 9 machucou o tornozelo direito em seu retorno ao time, domingo passado, na derrota por 2 a 0 para o São Paulo. Em 14 jogos, foram apenas seis gols.

Alan Kardec foi lembrado na lista de suplentes pelo ótimo momento que teve no Palmeiras. Se Hernane estivesse inteiro, poderia até aparecer na lista. Mas, como ele mesmo admite, são águas passadas.

Foto: Getty Images



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.