Opinião: brasileiros não gostam de esporte, gostam de vitórias

O Brasil é considerado o país do futebol. Mas durante algum tempo também foi o país da Fórmula 1, o país do tênis, o país da natação, o país do vôlei, o país do basquete e, mais recentemente, o país do handebol. Tudo de acordo com quem estivesse vencendo. Esse cenário permite a seguinte (e triste) conclusão: o brasileiro não gosta de esporte. Gosta de esporte quando há algum brasileiro vencendo.

Pode reparar. Desde que Gustavo Kuerten venceu o Torneio de Roland Garros pela última vez, em 2001, quase não se ouve falar de ténis no país. Fora mídias especializadas, pouco se fala, escreve, transmite de Thomaz Bellucci (foto), Bruno Soares, Marcelo Melo, Rogério Dutra Silva, Teliana Pereira etc.

E o basquete? Há quanto tempo a equipe masculina não dava notícias à massa até a classificação para os Jogos Olímpicos de Londres, depois de 16 anos? Hoje há veículos que cobrem (e bem) o NBB, campeonatos sul-americanos e europeus. E, lógico, a NBA. Mas interesse de público, mesmo, desconfio que seja muito pouco.

No ano passado, surgiram especialistas em handebol de todos os lugares após a conquista inédita do Campeonato Mundial pela seleção feminina. A modalidade, que sempre teve a fama de ser “esporte de escola”, ganhou holofotes na edição do Mundial disputada no Brasil em 2011. E antes disso?

Há quem diga que, com as lesões e derrotas de Anderson Silva, o Brasil perderá gradativamente o interesse em MMA. Aqui o cenário não é tão grave, já que há outros campeões. Nenhum com o carisma do Aranha, é verdade, o que me faz acreditar que, sim, há menos interesse com o maior lutador do país fora de combate.

Nas pistas da Fórmula 1, o cenário é desanimador. Hoje, há apenas Felipe Massa, mas a falta de resultados consistentes (leia-se títulos) faz com que poucos torcedores (torcedores, não fãs de Fórmula 1 e automobilismo em geral) acompanhem a temporada. Desde 1994, após a morte de Ayrton Senna, há exatos 20 anos, a principal categoria de monopostos perde público no Brasil pela mesma razão: falta de títulos e falta de vitórias.

É preciso mudar a mentalidade esportiva no país. É preciso entender que o esporte, pelo esporte, tem de ser mais atrativo do que a vitória. Se não fosse assim, a maioria dos atletas não estaria competindo e tentando, ao menos, o primeiro lugar.



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.