Jon Jones vai dar trabalho nos pesos pesados

cara

Com poucos adversários a lhe fazer frente e recordista de defesas de cinturão nos meio-pesados (93 kg) do UFC, o americano Jon Jones deve, a médio prazo, seguir o caminho natural de alguns lutadores: mudar de categoria.

Alto e forte, o norte-americano deverá ser o mais novo peso pesado da praça daqui a alguns anos. E, mesmo que não imponha o domínio que exerce entre os meio-pesados, dará trabalho na categoria de cima.

Atualmente, o sueco Alexander Gustafsson é visto como o cara para tirar o cinturão de Bones nos meio-pesados. Mas o europeu já falhou na primeira tentativa que teve, em setembro do ano passado. Haverá outra chance. Se o americano vencer, será o oitavo triunfo seguido valeu o cinturão.

Entre os pesados, o também americano Cain Velasquez é visto como imbatível. A única derrota na carreira foi para o brasileiro Junior Cigano, em 2011. Depois disso, só vitórias, inclusive duas sobre seu algoz. O próximo desafiante será o brasileir Fabricio Werdum, em novembro. Velásquez, porém, é favorito e deve manter a coroa.

Como seria, então, um embate entre eles?

Jones, quando subir de categoria, deverá automaticamente receber a chance de disputar o cinturão. É mais alto (1,93m x 1,85m) do que Velasquez, além de possuir a maior envergadura do UFC. Mas Velasquez é muito veloz e tem gás para lutar 15 rounds sem deixar o ritmo cair. Ambos são bons na trocação, sendo que, onde Jones tem a vantagem do controle de espaço, Velasquez ganha no poder de nocaute.

No chão, pouco foi visto do jiu-jitsu de Velasquez, enquanto Bones tem um arsenal vasto de finalizações. O problema é levar o campeão dos pesados para o solo. Cain é um dos melhores wrestlers do UFC e está acostumado a lidar com mastodontes humanos de 120 kg. Jones luta com indivíduos menores e não tem o gabarito do descendente de mexicanos nesse aspecto.

Duelo parelho, com chances reais de empate.

Caso passe por Velasquez e se torne o campeão dos pesados, a trajetória de Jones deve ser menos complicada do que nos meio-pesados. Ao menos em termos de nomes.

Enquanto enfrentou só pedreiras nos 93 kg (Lyoto Machida, Vitor Belfort, Quinton Jackson e Rashad Evans, só para citar alguns), nos pesados Bones teria rivais menos tarimbados.

Além de Velasquez, os brasileiros Junior Cigano e Fabricio Werdum, haveria adversários de menor renome com o brasileiro Antônio Pezão e os americanos Travis Browne e Josh Barnett.

O UFC e Jon Jones só teriam a ganhar com a mudança de divisão.

Crédito da foto: Reprodução



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.