Conheça Michael Sam, o primeiro gay assumido da NFL

Para jogar futebol americano, é preciso coragem para encarar as pancadas naturais do esporte. Para jogar futebol americano sendo homossexual assumido, mais ainda.

E isso é o que não falta a Michael Sam. O defensor de 24 anos é o primeiro jogador assumidamente gay da NFL (National Football League), a liga de futebol americano dos Estados Unidos. Ele foi um dos novatos escolhidos no último sábado (10) para jogar a próxima temporada pelo St. Louis Rams.

Rolou até um beijo no namorado durantes as comemorações.

michael sam beijo

Sam revelou sua opção sexual em fevereiro deste ano, antes mesmo de chegar à NFL. Em entrevista concedida ao jornal “The New York Times” e à ESPN dos EUA, o jovem se mostrou consciente da responsabilidade de atuar na liga profissional.

“Eu sei exatamente o tamanho da responsabilidade. Ninguém jamais fez isso e é um processo muito nervoso, mas eu sei o que eu quero ser: eu quero ser um jogador de futebol americano na NFL”, afirmou na ocasião. “Quem me escolher sabendo que sou gay, também tem a certeza de que eu jogo bem e sou trabalhador. Esse é o time que quero jogar”, completou.

Segundo o próprio atleta, ele sempre soube de sua homossexualidade. E que isso não deixou de ser um temor em relação a reação das outras pessoas quando ele viesse a público assumir sua condição.

“Eu sabia desde cedo que sentia atração por garotos. Nunca tratei como uma fase, nunca parei para pensar quantas pessoas já sabiam. Eu tinha medo de que as pessoas falassem ou vazassem algo a meu respeito. Eu quero a minha própria verdade. Ninguém deve contar a minha história além de mim”, revelou.

A trajetória de Sam até o Rams não foi só calçada nos prêmios que recebeu na última temporada da liga universitária. Atuando pela Universidade de Missouri, recebeu o prêmio de defensor do ano pela Associated Press e foi nomeado para o All-American (entre os melhores atletas dos Estados Unidos). Antes disso, muita coisa aconteceu.

“Vi meu irmão mais velho ser morto a tiros, não sabia que minha irmã morreu quando ela ainda era um bebê e eu nem tive a chance de conhece-la. Meus outros dois irmãos vão e voltam da prisão desde que eu estava na oitava série. Atualmente os dois estão presos. Dizer ao mundo que eu sou gay não é nada perto disso”, contou, na mesma entrevista.

E mesmo sendo um dos melhores jogadores universitários, Sam foi apenas o 249º atleta (entre 256) a ser escolhido no draft da NFL, na 7ª e última rodada.

Mas a prova de que ele deve ser visto como jogador, livre de preconceitos, está no fato de que sua camisa, a 10, já é a segunda mais vendida entre todos os “rookies”. Ele só perde para Johnny Manziel, quarterback escolhido pelo Cleveland Browns.

Sam, 1,88m e 116kg, não é o primeiro atleta a se assumir homossexual no esporte americano. O jogador de basquete Jason Collins, hoje pivô do Brooklyn Nets, revelou sua opção sexual em abril de 2013, em entrevista à revista “Sports Illustrated”. À época, ele estava no Washington Wizards.

Foto: Reprodução/Twitter



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.