Com péssima atuação de Barcos, Grêmio naufraga na Arena

Getty Images

A tradicional catimba argentina foi determinante para selar a classificação do San Lorenzo-ARG sobre o Grêmio. O time do Papa, sem ser superior ao Tricolor Gaúcho, controlou a pressão na Nova Arena e, nos pênaltis, ficou com a vaga.

LEIA MAIS:
Cruzeiro com cara de campeão e Grêmio injustiçado marcaram a noite do Brasil na Libertadores

Precisando vencer, o Grêmio partiu para cima, mas esbarrou na boa postura defensiva do time argentino que, mesmo tendo o excelente goleiro Torrico vencido, ainda conseguiu evitar o gol gremista com Buffarani, aos 11 minutos.

O lance, porém, foi mais fruto de uma ação esporádica do time de Ederson Moreira do que de um possível controle da partida. Era o time argentino quem tinha o jogo nas mãos, mas, sem forças para criar, não ameaçava. Salvo aos 28 minutos, em chute de Piatti para fora.

O equilíbrio era a tônica na primeira terça parte do duelo, já que a pressão inicial do time gaúcho havia cessado. Àquela altura, porém, o imortal ainda estava bem vivo e, aos 38 minutos, Barcos recebeu passe de Luan, driblou dois marcadores, mas viu seu golaço ser vetado por Torrico. Mais uma vez, o goleiro que seria nome da partida aparecia.

No segundo tempo, o Grêmio foi mais pressão ainda. Barcos, logo aos três minutos, chegou a abrir o placar, mas o tento foi corretamente anulado. Aos 20, foi a vez de Geromel acertar a trave, assim como aos 23, Wendell, após boa jogada, chutar forte para a defesa do goleiro adversário.

Tanta pressão logo deu resultado e, aos 38, Luan fez boa jogada pela direita e serviu Dudu, na pequena área, para fazer o gol mais importante do ano para o tricolor.

A partida, mais tensa do que nunca, caminhou para os pênaltis. O time argentino sentiu a pressão, mas o Grêmio, por jogar em casa, sentiu mais. Desta forma, Barcos e M. Rodrigues tiveram suas cobranças defendidas por Torrico e fizeram o Grêmio ser eliminado por 4 a 2.

O resultado recoloca o Grêmio em uma grave crise abortada no ano passado após a eliminação da Libertadores. Na época, foram os medalhões que saíram, mas hoje, ante ao bom número de jovens valores que despontam, não seria muito estranho se essas joias fossem negociadas para gerar caixa no time gaúcho.