Cadê a soberania dos grandes sobre os pequenos na Copa do Brasil?

A segunda fase da Copa do Brasil está terminando, e para mim fica a certeza de que um questionamento se tornou procedente: cadê a soberania dos grandes sobre os pequenos? Aquela velha máxima já surrada de que não existe mais bobo no futebol está cada dia mais verdadeira, é isso?

Vejamos o exemplo dos paulistas. Santos, São Paulo e Palmeiras não conseguiram até agora eliminar o jogo de volta. O Peixe e o Verdão ainda correm o risco de ficarem pelo caminho na segunda fase, pois ainda vão enfrentar os fortíssimos (ironia) Princesa de Solimões e Sampaio Correa.

O Corinthians foi o único que se salvou nesse critério porque conseguiu eliminar o jogo de volta nas duas vezes que entrou em campo, pois ganhou por 2 a 0 do Bahia de Feira de Santana e fez 3 a 0 no Nacional-AM. Mas o Timão ainda assim sofreu para fazer o segundo durante o duelo da primeira fase.

Até mesmo os times que em algum momento tiveram facilidade durante esta edição da Copa do Brasil, acabaram penando também. Vejamos o exemplo do Inter. Na primeira fase, atropelou o Remo ao fazer 6 a 1 em pleno Mangueirão. Mas na segunda, só conseguiu se livrar de uma derrota para o Cuiabá com um gol no fim.

O Fluminense assustou o seu torcedor ao perder por 3 a 1 para o Horizonte fora de casa, mas se recuperou e fez 5 a 0 em seus domínios, avançando para a segunda fase, onde eliminou o Tupi ao vencer por 3 a 0 fora.

A dificuldade dos grandes clubes de se impor contra os pequenos na atual edição da Copa do Brasil, a meu ver, é uma prova cabal do momento técnico ruim que vive o futebol brasileiro. Os clubes estão se nivelando por baixo. Hoje em dia, ganha quem é “menos ruim” em campo.

Crédito da foto: Ivan Storti/Divulgação Santos FC



Jornalista de esportes desde 2005, com passagem pelo UOL e Terra. Editor de comunidades do Torcedores.com e blogueiro do renanprates.com