A violência nos estádios brasileiros ultrapassa todos os limites

privada

O limite da barbárie nos nossos estádios de futebol parece realmente não existir. Quando, após vermos um garoto ser assassinado com um sinalizador ou mesmo duas torcidas se enfrentarem nas arquibancadas como se fosse este o objetivo de um jogo de futebol, eis que mais uma vez nos surpreendemos com a tamanha idiotice que o ser humano é capaz de fazer.

Na partida entre Santa Cruz e Paraná, pela Série B do Brasileirão 2014, um torcedor do Sport morreu após ser atingido por um vaso sanitário! Junto com ele mais três pessoas foram atingidas, mas, por sorte, não correm risco de morte.

A situação é tão absurda que fica difícil de entender. O que leva uma torcida arrancar um vaso sanitário de seu estádio já tão combalido? Como se não bastasse a depredação de seu próprio patrimônio, estes imbecis ainda conseguem transformar o objeto outrora imóvel em uma arma poderosa, já que o arremessaram do topo de uma arquibancada.

O curioso disso é que essa prática já ocorreu em outras oportunidades, porém, como não houve nenhum incidente naquela vez, ficou-se registrado apenas o prejuízo financeiro. Mas, aquela bola de neve cresceu e, assim como em outras oportunidades, mais uma vez vasos sanitários foram arrancados dos banheiros para serem usados como arma.

Desta vez, porém, uma pessoa morreu. Não cabe aqui entrar na discussão sobre quem era este indivíduo. Ele, integrante de uma torcida organizada do Sport, rival do Santa Cruz, estava no Estádio do Arruda em uma partida que não era do seu clube. Isso, no entanto, não justifica a sua morte, mas mostra como a lógica das torcidas organizadas é ilógica.

Se o mundo fosse perfeito e todas as pessoas felizes, como dizia Renato Russo, certamente esta situação não teria acontecido. Mas, a vida não é a maravilha que sonhamos e sim a dureza que enfrentamos. E, dentro dessas dificuldades, a polícia tem o dever essencial de nos dar segurança. Essa é a sua função, mas ela nem sempre faz isso.

Por mais incompreensível que seja entender o que leva seres humanos a transformarem um palco esportivo em um campo de batalha, por mais irracional que seja uma pessoa ir ao estádio do seu rival em uma partida que seu time não está jogando, é impossível acreditar que os policiais que deviam dar proteção aos torcedores não veja alguns indivíduos carregando vasos sanitários. Ás vezes, a omissão é tão grave quanto a ação criminosa, o que não redime a culpa dos principais responsáveis.

Crédito da foto: Site do Santa Cruz/Divulgação