Saiba como comprar a melhor televisão para ver a Copa do Mundo

Aproveitei hoje o meu horário de almoço e fui pesquisar preços e modelos de TV para curtir a Copa do Mundo. Comprei um apartamento novo e quero equipá-lo com o que existe de melhor, afinal, não é sempre que a gente tem a chance de acompanhar o Mundial. São quatro longos anos de muita espera e angústia.

De acordo com os especialistas, o conceito de “quanto maior o aparelho, melhor”, é relativo. O que conta, na verdade, é a distância entre o televisor e o sofá.

DESTAQUE: Povo brasileiro não está nem aí, diz pesquisa

Segundo o site “Tech Tudo”, se a medição entre a TV e o móvel é de 2 metros, multiplique este valor por 21 caso queira saber o tamanho ideal da tela para uma TV Full HD. Neste exemplo, o tamanho apropriado é de 42 polegadas. Caso a sua sala seja gigante, e a distância entre televisor e o sofá seja de 4 metros, uma tela de 71 polegadas ficaria perfeita.

Tentar visualizar uma TV grande a distância pequena, ou forçar a vista para enxergar a tela que está muito longe, gera um esforço ocular exagerado e pode causar dores de cabeça em algumas pessoas.

Depois que acertei o tamanho, o vendedor fez outra pergunta crucial. E o material? Existem telas de plasma, LCD e Led. Voltei então à pesquisa e descobri que cada uma delas apresentam vantagem e desvantagens.

As telas de plasma consomem mais energia, mas têm a melhor imagem; as de LCD, ao contrário, são finas e econômicas, porém perdem em qualidade; as de LED combinam bom consumo a nitidez.

O bacana de tudo isso é que o mercado está aquecido e, além de muitas opções e novidades tecnológicas, encontramos muita disputa entre os grandes varejistas. Portanto, vale pesquisar.

De acordo com a Divisão Econômica da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a Copa do Mundo deve elevar em R$ 826 milhões a receita das lojas especializadas na comercialização de artigos de uso pessoal e doméstico no segundo trimestre deste ano.

O efeito da Copa do Mundo sobre as vendas desse segmento no segundo trimestre deverá ser de aproximadamente 2,8% em relação aos três primeiros meses do ano. As Copas de 2006 e 2010 provocaram impactos reais de 2,4% e 2,6%, respectivamente, na mesma base de comparação.

Com tanta informação e diante de tantos números, o vendedor, já cansado com as minhas perguntas e indagações, disparou: “Então, qual televisão o senhor vai levar?”. Procurei ser o mais sincero e prático possível: “Quero uma TV que passe apenas os gols do Brasil e a festa pelo hexa no Maracanã. Tem?”.

Adivinhem a resposta.

Foto: Getty Images



Jornalista.