A melhor campanha africana em Copas!

Nunca na história uma seleção africana conseguiu passar das quartas – de – finais de uma Copa do Mundo. Por melhor, mais animada, mais simpática e mais organizada que seja, ficar entre os 8 melhores do mundo é o máximo os países daquele continente conseguiram até agora.

Por três vezes, porém, essa barreira esteve muito próximo de ser transposta. Em 1990, Camarões, de Roger Milla, caiu diante da Inglaterra na prorrogação; em 2002, Senega,l do habilidoso Diouf, foi parada pela surpreendente Turquia; enquanto em 2010 foi a vez de Gana não ser capaz de superar o Uruguai.

Os Leões Indomáveis foram a surpresa da Copa do Mundo de 1990. Primeiro lugar de um grupo que contava com a Argentina, Camarões só perdeu na 1ª fase para a URSS. Nas oitavas de finais, a Colômbia de Higuita foi o adversário. O equilíbrio verificado no tempo normal não se manteve na prorrogação, e o experiente Roger Milla fez 1 a 0 e, com a contribuição de Higuita, marcou também o segundo gol. Redin ainda descontou, mas o placar de 2 a 1 colocou Camarões nas quartas de finais.

A Inglaterra foi o adversário da vez e, após sair vencendo, viu Camarões virar o placar, mas Lineker, de pênalti, empatou a partida nos minutos finais e, da mesma forma, marcou o gol da classificação na prorrogação.

Em 2002, Senegal encantou o mundo ao vencer a França, atual campeã, na estreia por 1 a 0. Os empates contra Dinamarca e Uruguai não foram tão apaixonantes, mas serviram para classificá-la em 2º lugar. Nas oitavas, a Suécia, de Larsson, foi batida na prorrogação por 2 a 1 com dois gols de Camara. Nas quartas, no entanto, a eliminação veio após o tempo normal para a Turquia.

Em 2010, Gana teve o que podemos considerar a melhor chance de passar das quartas de finais. Após se classificar no saldo de gols em segundo lugar pelo Grupo D, a seleção bateu os EUA na prorrogação por 2 a 1. Na quartas, o adversário foi o Uruguai. Gana saiu na frente, mas o Uruguai empatou no 2º tempo. Com a igualdade no placar, a partida foi para a prorrogação e, após a seleção africana ter desperdiçado uma penalidade máxima no último minuto do tempo extra, o jogo foi para a disputa de pênaltis. Com uma cavadinha, Loco Abreu enterrou o sonho de Gana e do todo o continente africano.