Relembre 7 craques que mereciam mais reconhecimento nas Copas

A Copa do Mundo, diferente do dia a dia, é um evento que marca a carreira de um atleta tanto positivamente, quanto negativamente. A opinião pública e especializada endeusam alguns jogadores e se esquecem de outros.

Muitos craques saem das Copas em um pedestal, mas outros têm grandes atuações e saem sem o reconhecimento que merecem.

Abaixo alguns exemplos destes casos:

Copa 2010 – Puyol – líder da defesa espanhola, não tem o reconhecimento que merece por não ser um ‘craque’, mas supera tudo com raça, humildade, vontade e estrela. Puyol marcou o gol mais importante da história da Espanha, até então, contra a Alemanha nas semis da Copa da África, só sendo superado por seu colega Iniesta que fez o gol da final.

Copa 2006 – Materazzi – conhecido por ser um zagueiro truculento e sem categoria, o italiano decidiu a final da Copa. Autor de um belo gol de cabeça, o zagueiro foi o responsável pela expulsão de Zidane e pra finalizar ainda fez um gol na disputa por penalti. Buffon, Pirlo, Totti e Del Piero levaram as glórias, mas na verdade, Materazzi foi herói do tetra na Itália.

DESTAQUES
Vai ter Copa, sim: veja 10 motivos para curtir o Mundial no Brasil
Opinião: Felipão acertou ao revelar 9 nomes que já estão na Copa

Copa 2002 – Ronaldinho Gaúcho – Quando falamos da Copa de 2002 lembramos do Ronaldo, que fez os gols, do Rivaldo que foi o melhor jogador da Copa na opinião do Felipão e esquecemos do R10. Ronaldinho decidiu a partida que acabou sendo a mais difícil da seleção na campanha vitoriosa, fazendo uma jogada ‘genial’ no gol de empate e marcando um golaço de falta. Também esteve muito bem na final contra a Alemanha, deixando Ronaldo na cara da gol algumas vezes.

Copa 1998 – Thierry Henry – o jovem craque na época jogava no Mônaco e ajudou muito a seleção da França. Depois que o Zidane foi expulso, Henry assumiu a responsabilidade do ataque e se saiu bem. Liderou a equipe até as fases finais, quando Zizou voltou. Poucos sabem, mas ThiThi foi o artilheiro da seleção francesa na Copa do Mundo com 3 gols.

Copa 1994 – Cafu – o lateral direito só entrou em roubada e saiu muito bem. Primeiro foi no jogo contra os EUA, com a expulsão do Leonardo, ao invés de colocar Branco, reserva imediato da posição. Parreira optou pelo Cafu que se saiu muito bem. E depois na final, entrou no lugar do Jorginho e foi o melhor jogador da final deixando o Bebeto e o Romário na cara do gol, chances desperdiçadas pelos craques.

Copa 1990 Baggio – o então jovem craque italiano esteve muito bem, levando a Itália até às semifinais e depois fazendo um belo gol na disputa de terceiro lugar. Infelizmente Baggio ficou marcado pelo penalty perdido em 94, depois de levar a Itália nas costas até o jogo decisivo.

Copa 1986 – Burruchaga – o argentino que fez o gol da vitória e do título, tem que viver com o ‘fantasma’ do Maradona. Sabe que sempre que falam desta Copa, falam “a copa que o Maradona ganhou sozinho” e sabe o quanto foi importante ao fazer um gol aos 43 minutos do segundo tempo, quando a Alemanha esboçava uma reação e virada.



Sou amante e estudioso de esportes! Nasci em São Paulo, estudei em Los Angeles, NY e fiz pós-graduação em Barcelona, sempre acompanhando de perto as competições esportivas pelo mundo.