Opinião: Vasco de Adilson Batista insiste nos mesmos erros

Vasco

A derrota do Vasco para o Luverdense-MT deixou claro que o time precisa de mudanças. A diretoria se mexeu e Anderson Salles, Fabrício, Guilherme Biteco e T. Silva chegaram como reforços. Mas, enquanto isso, o técnico Adilson Batista precisa buscar no elenco cruzmaltino novas alternativas.

Na última partida, por exemplo, Montoya foi testado como titular e, apesar de ter desperdiçado uma chance clara de gol enquanto a partida estava zero a zero, deu mais movimentação ao estático lado direito do ataque vascaíno.

No intervalo, o colombiano foi sacado da equipe, assim como Reginaldo, dando lugar a W. Barbio e Yago. O primeiro, como de praxe, não foi bem e mais uma vez irritou a torcida do Gigante da Colina. O segundo, porém, não só marcou um golaço como também melhorou e muito o poder ofensivo da equipe.

Era de se esperar, portanto, que Adilson desse continuidade ao que foi bem (Yago) e pusesse um fim ao que foi mal (Reginaldo). No entanto, o técnico do Vasco manterá para a partida desta quarta-feira contra o Treze-PB, pela Copa do Brasil, o mesmo time que perdeu no final de semana.

Adilson prefere, ante o pouco tempo de treinamento, não mexer na estrutura da equipe. Ele está correto neste ponto, contudo, a tendência é que o time escalado repita os mesmos erros da derrota de sábado, já que, sem tempo para treinar, não poderá corrigir o que não deu certo.

Sendo assim, mais uma vez a base vascaína ficará em segundo plano para dar vaga a um suposto time mais experiente. Reginaldo, que saiu no intervalo contra o Luverdense, foi mal e deverá repetir este desempenho contra o Treze. Yago, por outro lado, que foi bem nesta e na outra partida que fez na temporada, contra o Resende, continuará no banco a espera de um milagre e da boa vontade do treinador em escalá-lo.