Opinião: Adriano não serve mais pro futebol de elite

Contratado no início do ano pelo Atlético PR, muitos achavam que era a oportunidade perfeita da volta, time organizado, não tão grande, e disputando Libertadores, o cenário ideal. Treinando forte com a equipe, Adriano teve alguns deslizes, mas conseguiu ser inscrito na Libertadores. Lá esquentou banco e aos poucos foi entrando nas partidas, sempre reclamando, o Imperador achava q tinha condições de jogar mais, o técnico não.

Ser flagrado em um balada depois da eliminação da equipe na Libertadores foi a gota d’água, o Atlético rescindiu seu contrato. Pelo que eu entendi, ambos achavam que ele ia se interessar e poderia produzir em um torneio tão importante e disputado como a Libertadores, principalmente em um ano de Copa do Mundo.

O mercado na Série A fechou pra ele. Nenhum time quer se arriscar, poucos treinos, festas e bebedeiras, contusões, reclamações, salário alto, e, pra finalizar, pouco futebol. Corinthians e Flamengo tentaram e se deram mal. Ser chamado de ‘Imperador’ na Itália foi o começo do fim. Depois da grande temporada 2004/2005 que teve, com títulos da Copa América e Confederações, o sucesso subiu a cabeça.

julioc

Na minha opinião, ele não tem mercado em times grandes. Tanto aqui como na Europa, já sabem que ‘ressuscitar’ o Adriano é impossível.

Julio César, o goleiro e verdadeiro imperador, foi parceiro do Adriano desde os tempos de Flamengo e poderia ser uma última esperança se fizesse um lobby para ter o amigo no time canadense da Liga Americana, o Toronto FC. Julio foi colega dele no Flamengo, Internazionale e na seleção. Talvez na MLS ou em uma segunda divisão ele possa render, lá fora não vai poder sair da linha, se não vai parar na cadeia.

Eu acho que o problema do Adriano nunca foi o futebol, e sim a vida. Depois de perder o pai, que morreu depois de viver muito tempo com uma bala na cabeça, o cara se perdeu. Junto com o sucesso em Milão, vieram as bebidas, cigarros, festas, mansões, favelas, topo do morro, fundo do buraco. Acredito que ele deveria trabalhar fora do campo, trabalhar sua cabeça, conversar com especialistas, aprender a respirar grande, e se conscientizar que antes de recuperar seu futebol, ele tem que recuperar a sua vida.

Se não mudar, vai perder todo dinheiro que acumulou no futebol ou pode até morrer em breve.



Sou amante e estudioso de esportes! Nasci em São Paulo, estudei em Los Angeles, NY e fiz pós-graduação em Barcelona, sempre acompanhando de perto as competições esportivas pelo mundo.