Jon Jones: campeão e cheio de moral com o chefe

cara

Maior campeão da actualidade do UFC, o norte-americano Jon Jones está cheio de moral com o presidente da organização, Dana White. Após a vitória por decisão unânime sobre o brasileiro Glover Teixeira, na madrugada de domingo, em Baltimore, o chefão foi só elogiados ao número 1 do ranking peso-por-peso da entidade e campeão dos meio-pesados (até 93 kg).

“Se Jones não havia provado que tem queixo contra Gustafsson, ele provou agora. Jon Jones atravessou o corredor da morte para ser campeão, e ele saiu vivo e com o cinturão”, disse White, referindo-se à luta contra o sueco Alexander Gustafsson, derrotado pelo americano por decisão unânime no UFC 165, em setembro do ano passado.

Com o triunfo sobre Glover Teixeira no UFC 172, Bones chegou a sete defesas de cinturão. Ele é o rei dos meio-pesados desde março de 2011, quando tirou o título de Mauricio Shogun.

Dana White ainda comparou Jon Jones a Anderson Silva. O Spider foi o dono do cinturão dos médios (até 84 kg) entre outubro de 2006 e julho de 2013. Nesse período, lutou 13 vezes, sendo 10 entre os médios (defendendo o título) e três entre os meio-pesados. Foram 16 combates do Aranha no UFC, sendo 14 vitórias consecutivas e duas derrotas (ambas para Chris Weidman, atual campeão dos médios).

Tais números, de acordo com o presidente do UFC, serão difíceis para Jon Jones. “É muito difícil ficar invicto por muito tempo. Para Jon Jones bater o recorde de Anderson, ele precisa vencer mais sete lutas. Isso dá mais de dois anos, é muita coisa. Dizem que eles vencem porque não têm lutas duras. Mas esses caras aniquilam quem vêem pela frente.”

Jones é novo. Completará 27 anos em julho. Se permanecer entre os meio-pesados, o recorde é questão de tempo. A não ser que outro fenómeno apareça.



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.