Estádio do Mogi é interditado após Arouca sofrer ato racista

A Federação Paulista de Futebol (FPF) anunciou no começo da tarde desta sexta-feira a interdição do Estádio Romildo Vitor Gomes Ferreira, pertencente ao Mogi Mirim, na cidade homônima. O local foi palco, na quinta à noite, de ofensas racistas contra o volante Arouca, do Santos, após a partida em que o time alvinegro goleou os donos da casa por 5 a 2, pela 12.ª rodada do Paulistão.

Para a FPF, “tal forma de agir macula de forma indelével a disciplina desportiva e macula, igualmente, os princípios básicos de civilidade e humanismo”. Por isso, a entidade resolveu recorrer ao CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva) para interditar provisoriamente o estádio que leva o nome do pai de Rivaldo, presidente do clube.

A federação se baseia no Artigo 243-G do CBJD, que trata de punir quem “praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência”. Para o mesmo, a pena é de fechamento do local pelo prazo de 120 a 360 dias, além de multa.

Leia a notícia completa do Estadão:



Redação do Torcedores.com