Belfort culpa UFC e diz que foi obrigado a desistir de luta com Weidman

Poucas horas após o UFC anunciar a retirada de Vítor Belford da luta contra o norte-americano Chris Weidman, o lutador brasileiro saiu em sua defesa ao afirmar que nunca desistiu do combate válido pelo cinturão dos médios da organização. A luta estava programada para ocorrer no dia 24 de maio, em Las Vegas (EUA),

Por meio de um pronunciamento publicado em sua página no Facebook, Belford colocou a culpa da sua retirada do evento na organização do maior evento de MMA do planeta.

“Nunca desisti de lutar no UFC 173 e nunca falei isso. Portanto, toda informação publicada em qualquer veículo de comunicação anunciando isso não é verdadeira. O que anunciei foi que estarei ‘desistindo do TRT’ e não ‘desistindo da luta’ para continuar o meu sonho de lutar”.

Toda a polêmica começou após a Comissão Atlética de Nevada (NSAC) anunciar o banimento do TRT (Tratamento para Reposição de Testosterona) em todos os esportes de luta no estado norte-americano. O lutador carioca faz uso da reposição.

Após a retirada de Belford, a organização do UFC anunciou outro brasileiro como desafiante do cinturão dos médios. Trata-se de Lyoto Machida, que venceu as suas duas últimas lutas, contra Mark Muñoz e Gegard Mousasi.

 Confira o comunicado na íntegra:

“Nunca desisti de lutar no UFC 173 e nunca falei isso. Portanto, toda informação publicada em qualquer veículo de comunicação anunciando isso não é verdadeira.

O que anunciei foi que estarei “desistindo do TRT” e não “desistindo da luta” para continuar o meu sonho de lutar.

O UFC decidiu colocar outro oponente em meu lugar pelo fato de eu não ter tempo hábil de me adequar as novas regras da NSAC. Segundo o UFC, enfrentarei o vencedor de Weidman vs Lyotto dentro dos novos regulamentos de todas as Comissões Atléticas.

Lamento que isso tenha acontecido,e agradeço a força e compreensão de todos os fãs, patrocinadores, UFC e as próprias comissões atléticas”



Redação do Torcedores.com