Diego Costa virou o Pelé? Desculpa, eu perdi essa parte!

O dia era cinco de março de 2013, Felipão surpreende e convoca Diego Costa, até então desconhecido para 90% da população brasileira, para os amistosos contra Rússia e Itália. O atacante fala ao site do Atlético de Madri:

“Não sei o que dizer, as palavras não saem. É um sonho que tenho a vida inteira e agora se fez realidade. Ainda não acredito. Estou muito feliz. Estou nas nuvens”.

Com a camisa 18, Diego Costa chega a entrar em campo e defende a amarelinha pela primeira vez na carreira.

Agora, o dia é 30 de outubro e Felipão desconvoca o mesmo Diego Costa dos amistosos contra Honduras e Chile. O técnico da seleção brasileira ataca a ex-surpresa:

“Um jogador brasileiro que se recusa a vestir a camisa da seleção brasileira e a disputar uma Copa do Mundo no seu País só pode estar automaticamente desconvocado. Ele está dando as costas para um sonho de milhões, o de representar a nossa seleção pentacampeã em uma Copa do Mundo no Brasil.”

Cenário muito diferente para pouco mais de oito meses, certo? Então vamos aos fatos aconteceram durante esse período: Diego recebeu cidadania espanhola, o Brasil aplicou um chocolate na Fúria na final da Copa das Confederações e o atacante é o atual artilheiro do Campeonato Espanhol.

Com tudo isso, Diego Costa virou alvo de disputa entre CBF e da Federação de Futebol da Espanha como se fosse o novo Pelé. Desculpe, gente… Ele é SÓ o Diego Costa. No meu ponto de vista, um jogador que vive o auge da sua forma física aos 25 anos e está em um MOMENTO bom, não é craque nem nunca será.

Nas minhas rodas de amigos, costumo afirmar que, para mim, não passa de um Afonso Alves (lembra dele? O “queridinho” de Dunga) ou um Rafael Marques (sensação do Botafogo no início do Brasileirão) melhorados.

Desde ontem vejo pessoas “comprando” o discurso de Felipão ou então atacando o técnico da seleção brasileira, o chamando de hipócrita e tudo mais por ter treinado Portugal e brigado pela naturalização do ex-meia Deco e do zagueiro Pepe.

Acredito que era legítimo o direito de Diego Costa defender a Espanha. Sim, era, antes de jogar pela seleção. Não é mais, pois ele aceitou vestir a camisa do Brasil há poucos meses e, na minha opinião, perdeu a opção da Fúria.

Não é uma posição contra o Diego Costa, contra a Espanha ou a favor do “prejudicado” (será?) Brasil. É só porque penso que precedentes como esses podem transformar o futebol em uma várzea e acabar com as poucas chances de seleções menores se classificarem para uma Copa do Mundo.

Por exemplo, já pensou se atacantes como Ibrahimovic ou Samuel Eto´o, esses sim craques de verdade, tivessem desistido de defender a Suécia ou Camarões, respectivamente, depois de alguns amistosos para jogar por Itália ou Espanha, seleções essas que estão sempre na briga por um título mundial?

Então, o que precisa mudar é a regulamentação da Fifa. Diego Costa não é um monstro, está no seu direito e virou bode expiatório de uma briga política entre duas confederações aproveitadoras. Ou vai me dizer que você realmente acredita que ele seria convocado por Felipão para a Copa?

Atualmente, Diego Costa é o melhor reserva que o Brasil tem para Fred. Porém, todos sabem que Felipão é muito fiel a seus jogadores e que dificilmente deixará Jô de fora da convocação final. Mesmo que a boa fase do atacante do Galo acabe, porque ele também é bem mediano…

Na cabeça do Felipão, ele não precisa de Diego Costa e sabia que o desejo do artilheiro era defender a Espanha. Por isso, tratou logo de fazer um discurso populista e ganhou grande parte da torcida, que certamente fará da vida do ‘novo espanhol’ um inferno durante o Mundial de 2014. Tudo parte de um jogo psicológico para desequilibrar uma possível ameaça espanhola e enfraquecer um rival de peso.

Porém, não achem que a Espanha é santa. Afinal, Diego joga lá há oito anos e só agora eles querem contar com ele na Fúria? Muito conveniente para uma seleção que precisa se reinventar depois do ‘chocolate’ na final da Copa das Confederações e que vê seus goleadores em péssima fase.

Por isso, caro Diego Costa, aproveite as chances na Espanha, que realmente devem existir. Mas não acredite que eles te amam de verdade, porque na verdade eles só amam os seus gols e se a fonte secar até lá a convocação final, possivelmente você assistirá ao Mundial do sofá de casa. E só para relembrar: não, você não é o Pelé. Pelo contrário, é bem medião!



Queria ser atleta, não rolou, então virei palpiteira!