Torcida do Santos está cansada do técnico-estagiário

Getty Images

Com a pior atuação desde o fatídico 8 a 0 para o Barcelona, o Santos foi um time completamente apático no empate em 1 a 1 com o Náutico, lanterna do campeonato, em plena Vila Belmiro nesta quarta (26).

Você também pode ser repórter do Torcedores.com. Clique aqui e comece agora!

A equipe, que vem atuando de forma irregular durante todo o campeonato, não empolga desde o começo. Após a saída de Neymar, muitos temeram pelo inevitável rebaixamento, pois o time perdeu a referência. Mas aí vieram algumas contratações pontuais para as laterais e ataque e uma sequência razoável de seis jogos sem derrota. A equipe deu pequenos sinais de recuperação. Ainda assim, não enchia o torcedor de esperança. Todos contavam e já se conformavam com uma posição intermediária na tabela.

No entanto, mesmo com uma campanha capenga, a equipe foi se mantendo no meio, sustentada pelo argumento de ter jogos a menos e, principalmente, pelo baixo nível do campeonato, com várias equipes jogando tão mal ou até pior que o Santos. A vitória para o Inter fora de casa deu um impulso na tabela e os jogos a menos pela frente, contra times que estavam indo mal no campeonato (como Flamengo e Náutico), despertaram a sensação de que o time iria emplacar. Até uma vaga no G-4 estava nos planos. Os reforços que chegaram deram uma sustância à equipe e tiraram o peso das costas da jovem geração promovida a profissional a toque de caixa no começo do ano.

Tudo não passou de um alarme-falso. A equipe jogou como um time pequeno, mesmo não tendo um elenco tão ruim. E o que no começo era apenas desconfiança, se transformou em certeza para os torcedores: o fator de não ter um treinador à altura do Santos. Com experiência indiscutível para lidar com a molecada, Claudinei Oliveira, se mostrou completamente inábil para lidar com o elenco profissional de um time grande como o Santos.

Basicamente falta tudo no time Claudinei. Taticamente a equipe derrapa, a inconstância nas escalações e o medo de peitar figuras de peso dentro do clube e com a torcida. O maior exemplo é com ex-jogador em atividade Léo (que decidiu por contra própria que deixaria de ser lateral para virar meio-campo). A lista ainda tem jogadores como Edu Dracena e Durval.

Porém, o que mais impressiona negativamente o torcedor é a postura de treinador de Copinha SP (que ele conquistou por méritos, diga-se de passagem). A cada jogo e a cada insucesso, o que antes de era apenas desconfiança se transformou em irritação.

Logo após o resultado decepcionante contra o Náutico, nas conversas de torcida e principalmente nos fóruns entre santistas na internet, a indignação não era contra nenhum jogador específico, mas, sim, contra Claudinei, chamado de “técnico-estagiário”. A atuação fraquíssima de ontem revoltou a torcida no estádio que vaiou e gritou “time medíocre”, assim que o Náutico abriu o placar.

Após o jogo, duas certezas cristalizaram na cabeça do torcedor santista: o adeus à vaga na Libertadores e a necessidade de um técnico de verdade. De preferência para ontem!