Spider e Weidman esquecem lado ‘fanfarrão’ em promoção da luta

Desde que Anderson Silva perdeu o cinturão dos médios do UFC em julho para Chris Weidman, o mundo aguarda a revanche marcada para o dia 28 de dezembro em Las Vegas, nos Estados Unidos.

Para promover (ainda mais) o combate, os dois lutadores em companhia de Dana White, presidente do UFC, estão realizando um tour mundial.

Neste final de semana, o trio passou pelo Brasil e pelo menos por aqui, eles esqueceram o lado ‘fanfarrão’, que já virou marca registrada do evento. No lugar de provocações e alfinetadas o que se viu foi muita gentileza e elogios de ambas as partes.

Dana confessou que teve dificuldade em convencer Spider em participar da turnê. Talvez, por isso, o presidente do UFC não fique tão bravo com a versão bom moço do brasileiro.

O ex-campeão agora parece que assumiu mesmo o lugar de um mero desafiante como uma estratégia para pressionar ainda mais o rival norte-americano, que ainda convive com os boatos que só ganhou porque Anderson Silva deixou.

Particularmente, faço parte da ala que credita a derrota do corintiano ao seu excesso de confiança. Anderson diferente do que disse neste domingo, que Weidman merecia lutar pelo cinturão, não acreditava nisso e ficou revoltado com o combate.

Com isso, Spider queria repetir o roteiro das outras vezes que entrou no octógono ‘obrigado’: humilhar o rival. Porém, abusou da guarda baixa e viu seu cinturão mudar de mãos.

Agora, Anderson Silva faz a linha politicamente correto, elogia o rival, mas deixa transparecer a vontade de mandar um ‘cala boca’ para toda a enxurrada de críticas que recebeu após a derrota no meio do ano.



Queria ser atleta, não rolou, então virei palpiteira!