Copa Libertadores se consolida como a “taça da afirmação”

A vitória do Atlético-MG nos pênaltis contra o Olimpia-PAR na final da Libertadores valeu mais do que o título inédito da competição continental para o Galo Mineiro. Foi mais além do que a marca histórica de quatro conquistas consecutivas de clubes brasileiros no torneio. O triunfo consolidou a Libertadores como um campeonato de afirmação.

O Atlético-MG era motivo de piadas em quase todos os cantos do Brasil por seus recentes fracassos, campanhas que começavam bem no Campeonato Brasileiro e terminavam sem nem ao menos uma vaguinha na Libertadores. Em Minas Gerais, o bullying sofrido pelos atleticanos quando os cruzeirenses mencionavam os dois títulos continentais e o Brasileirão mais recente já estava ficando cansativo de tão repetitivo.

O técnico Cuca era praticamente um sinônimo de fracasso e azar. Campanhas frustradas no Flamengo, Botafogo, Cruzeiro e no próprio Galo mascaravam feitos incríveis, como a salvação de diversos times do rebaixamento, como o São Caetano de 2005 e o Fluminense de 2009. A montagem do time do São Paulo que seria campeão mundial em 2005 também era convenientemente esquecida pelos seus detratores. Mas, acabou. Cuca e o Atlético-MG são campeões da Libertadores.

No ano passado, a afirmação também aconteceu para treinador e clube. Corinthians e Tite formavam até então uma dupla cercada por gozações e desconfianças. Superaram de forma tão incrível que o Timão faturou o título inédito da Libertadores de forma invicta. Mais do que isso, levaram também o Mundial de Clubes diante do Chelsea no Japão.

Em 2011, foi a vez de Muricy Ramalho. O treinador tetracampeão brasileiro no sistema de pontos corridos tinha a fama de ser ruim em mata-matas. As constantes eliminações em torneios desse tipo no São Paulo serviram para alimentar essa imagem. Com o Santos de Neymar, Muricy superou tudo isso e ganhou dois títulos paulistas e uma Libertadores em jogos eliminatórios.

Há três anos, o Internacional venceu a Libertadores sob comando de outro treinador até hoje muito criticado pela mídia e pelos torcedores. Celso Roth chegou na semifinal, mas liderou o Colorado para passar pelo São Paulo e Chivas Guadalajara e chegar ao bicampeonato continental.

De fato, a Libertadores liberta. Quem será o próximo libertado?

 



Redação do Torcedores.com