São Caetano dá ingresso de graça a torcedores aposentados

Em má fase após o rebaixamento no Campeonato Paulista e o começo ruim no Brasileirão Série B, o São Caetano espera contar com o apoio de sua pequena torcida ao longo da competição. O Azulão reforçou em seu site oficial uma campanha que vem sendo realizada desde o ano passado e que permite a aposentados devidamente cadastrados no clube entrar de graça nos jogos da equipe em casa.

Os torcedores interessados em aderir ao benefício devem fazer o cadastro na sede social do clube, na Rua Fernando Simonsen, 190, bairro Cerâmica, em São Caetano do Sul. O prazo para expedição da credencial que libera o acesso ao setor coberto do Anacleto Campanella é de cinco dias úteis após a apresentação dos documentos. Para ter direito, o torcedor deve levar CPF, RG, comprovantes de aposentadoria e residência, além de duas fotos 3×4 atuais.

São Caetano do Sul é uma das idades com maior índice de idosos no Estado de São Paulo. De acordo com dados do IBGE, a terceira idade representa quase 20% da população do município, localizado na região do ABC paulista. A expectativa de vida na cidade chega a 87 anos.

O São Caetano tem uma das menores médias de público entre todas as divisões do futebol brasileiro. O clube costuma levar entre 300 e 600 torcedores por partida e os tempos ruins ajudam a afastar o apoio das arquibancadas. No ano passado, o Azulão ficou fora do acesso à Série A no desempate com Vitória e Atlético-PR, todos com a mesma pontuação, mas com os rivais rubro-negros com uma vitória a mais cada.

A torcida organizada mais famosa do clube é a Bengala Azul, formada por torcedores acima dos 65 anos. O fundador e presidente da Bengala, Agostinho Falco, costuma dizer em tom de brincadeira que, entre os critérios para ser aceito na organizada, estão o diagnóstico de reumatismo, tosse crônica, ser morador de São Caetano do Sul há 30 anos e estar acompanhado dos pais.

O auge do sucesso do São Caetano aconteceu na primeira metade da década de 2000. O então desconhecido Azulão encantou o Brasil com o vice-campeonato da Copa João Havelange após eliminar grandes clubes como Fluminense, Palmeiras e Grêmio. Em 2001, voltou a ser vice do Brasileirão, diante do Atlético-PR. No ano seguinte, nova frustração em uma final, desta vez na Copa Libertadores, em casa, contra o Olímpia do Paraguai. O Azulão foi campeão paulista em 2004, único título de elite do clube.

 



Redação do Torcedores.com